parto humanizado

Meu olhar: a atuação da Doula na assistência ao parto.

doula-raquel jandozza

Ser doula, para mim, é um trabalho muito sensível, porque estamos lidando com diversas relações ao mesmo tempo, afinal, nos relacionamos com a equipe, com a instituição, mas a maior e mais importante relação é com a mulher. Quando penso nisso, imediatamente vem à minha mente o significado da palavra doula: “aquela que serve”. E penso que esse não é qualquer serviço. Quando estou servindo a uma mulher, enquanto doula, me preocupo com a finalidade desse meu serviço, que é trazer confiança para aquela mulher em realizar o seu desejo de trazer ao mundo o amor maior da vida dela.

É possível perceber a importância desse papel? A doula não está ali só servindo um chazinho, um rebozo, uma massagem, um óleo cheiroso, um escalda-pés: ela está servindo amor, afeto, confiança e, principalmente, aquele olho no olho que diz “eu acredito em você”. E isso não se vende no mercado, nem na padaria.

O serviço que a doula oferece é difícil, sutil, delicado e, ao mesmo tempo, muito profundo, porque, por vezes, ela se depara com os conflitos mais dolorosos daquela mulher durante a gestação e o trabalho de parto e isso é altamente desafiador.

Durante o trabalho de parto, enquanto a equipe está ali, diante da mulher, com suas técnicas e de olho no protocolo, para cuidar se houver uma necessidade de intervenção, a doula está com a mulher a ajudando a passar pelo momento de maior medo, maior dor, maior angústia, ou maior prazer – dependendo de como ela lida com aquela situação toda.

A doula não ausculta, não faz exame de toque, ela só sente. E sente junto com a mulher. E para que isso dê certo é preciso estar profundamente conectada, a sintonia tem de estar muito forte. Mas, o que isso significa? Significa que é importante sentir junto com essa mulher, ou seja, partilhar os medos e ajudá-la a passar por aquilo. Às vezes, isso pode ser feito por meio de um carinho ou massagem, mas, no fundo mesmo, é só dizer para ela: “estamos juntas, eu estou aqui com você e não vou te deixar e você também não vai se deixar e deixar esse bebê pelo meio do caminho. Por vezes, naquela fase em que é mais dolorosa a contração, a transição, a dilatação, a descida do bebê não há nada que eu faça e que alivie a dor, mas eu sei que a vibração que passo, durante o olho no olho, faz com que aquela mulher receba a mensagem de que ela é mais forte do que imagina ou do que a dor está dizendo para ela.

No final, quando tudo passa, a mulher tem a dádiva de segurar seu filho no colo. Nessa hora eu deixo de existir naquele espaço e apenas observo a conexão daquela mulher que agora encontrou seu verdadeiro par: seu filho. Não há dupla mais pulsante, mas vital que a mãe e o bebê.

Responda rápido: você sabe do que a gestante mais precisa?

gravida saber.jpg

Estou aqui, do outro lado da tela, imaginando as respostas que devem estar passando pela cabeça de todo mundo que leu meu título-pergunta. Tenho certeza de que as respostas são muitas e altamente variadas. Eu mesma poderia fazer uma breve lista das coisas que, particularmente, acredito que toda gestante precise. No entanto, eu te garanto, que fundamental mesmo é que ela tenha apenas uma coisa e, tendo isso, todo o resto se desenrola de forma natural e eficiente.

Para quem não aguenta mais de curiosidade, eu conto: o que a gestante mais precisa é de informação de qualidade, verdadeira e respeitosa. Parece tão simples, não é? Mas se fosse tão fácil obter informação de qualidade, talvez, o movimento de humanização do parto e do nascimento não precisasse existir. Você já parou para pensar nisso?

Hoje, o movimento de humanização busca não apenas fornecer informação baseada em evidências científicas como também divulgar o trabalho de profissionais que atuam de acordo com essas práticas. Quem atua nessa área (obstetras, obstetrizes, pediatras, doulas) procura passar para as gestantes toda informação sobre o que é necessário e o que não é, sobre os mitos e as verdades que ainda rondam o parto e o nascimento.

Há quem diga que somos contra a cesárea. Não somos, de jeito nenhum. Ela é uma cirurgia que salva muitas vidas, quando feita a partir de indicação correta. Aliás, é esse o papel da informação que me referi lá em cima. A gestante precisa saber quais são as reais indicações de cesárea, para que ela possa fazer sua escolha de forma autônoma e consciente.

Foi movida por esse propósito de levar informação de qualidade e baseada em evidências científicas que criei o app Pré-natal Emocional. Não, ele não substitui o apoio de uma equipe profissional, mas o aplicativo é um suporte que pode ajudar as gestantes a se inserirem no universo da assistência humanizada ao parto e ao nascimento, por meio de informação de qualidade. Ele também é um excelente reforço na busca por profissionais em sintonia com essas práticas.

Do fundo do meu coração, acredito que só por meio da informação é que podemos fazer escolhas eficientes para os nossos objetivos de vida, que estejam em sintonia com nossos valores e desejos. Por isso desenvolvi com muito carinho esse aplicativo. Foram muitas noites em claro, quebrando a cabeça para criar algo que envolve tecnologia e não faz parte do meu dia a dia, mas eu consegui. Foi como parir outro filho e minha alegria é imensa. Por isso te convido a nos fazer uma visita: baixe o app Pré-natal Emocional (disponível para Android e iOS) no seu celular e sinta-se à vontade.

Meu presente para as Gestantes e Mães!

Meu presente para as Gestantes e Mães!

O Pré-Natal Emocional ganhou um aplicativo.  O primeiro App Psicoeducacional para gestantes e puérperas. Nele você irá encontrar exercícios para trabalhar a concentração, relaxamento e controle da ansiedade, orientações para a fluidez do diálogo entre o casal, dicas de como saber a hora de certa de ir para a maternidade e muita informação de qualidade. Também estamos cadastrando profissionais da área de humanização, para que as gestantes possam encontrar uma equipe afinada com seus propósitos em qualquer lugar do Brasil.

Um bebê por minuto. Só que não!

Um bebê por minuto. Só que não!

Você já ouviu alguma mãe dizer que na hora do parto não teve dilatação? Disseram que o bebê havia passado da hora? Você acredita que partos são muito rápidos ou muito lentos? Esqueça tudo isso. Vamos falar sobre quanto tempo dura um trabalho de parto? Vem comigo.